Helio & Caetano

1989 – 2017 | Falecido em Julho de 2018 o carioca Helio Eichbauer foi um dos cenógrafos mais célebres do Brasil. Seu trabalho mais importante e reconhecível marca também o inicio de um diálogo entre música, espaço e design gráfico. Em 1989 Caetano Veloso lança o álbum Estrangeiro, que trazia na capa uma reprodução de uma pintura de Helio que serviu de cenário para o segundo ato da peça O Rei da Vela, montado pelo Teatro Oficina em 1967. Desta ponto em diante se inicia uma proveitosa parceria entre Caetano e Helio: o cenário foi utilizado também na turnê do álbum, e toda a cenografia das turnês seguintes foram realizadas por ele. Em diversas oportunidades os elementos cênicos desenvolvidos por Helio ilustraram as capas dos lançamentos ao vivo de Caetano, numa tentativa de representar visualmente a atmosfera da experiência, ou criar um paralelo entre a solução espacial e a proposição do show. O grande painel de lona que servia de fundo de palco e remete à pintura rupestre ilustra a capa de Circuladô Vivo, turnê de 50 anos de 1992. Em 2010 a capa de Zii e Zie reproduz na capa uma imagem dramática de um dos elementos cênicos mais brilhantes concebidos por Helio. Imagens eram projetadas no interior de uma asa delta que repousava sobre o palco, debaixo de luzes cinzentas, num disco inspirado sobre as tempestades que devastaram o Rio de Janeiro. A última parceria dos dois foi o cenário de Ofertório (2016/17), em que Caetano e seus filhos revisitam clássicos do pai e composições próprias. A capa do álbum (que ganha potência por ser um lançamento desvinculado de disco de estúdio) traz a fotografia de um elemento circular que paira no fundo do cenário. Ao ser iluminado por luzes de LED cria diferentes atmosferas ao longo do show, desintegrando a ideia do que um cenário pode ser, resultando apenas em forma e cor. Referenciando a ideia de comunhão e intimidade que dá nome ao espetáculo, a hóstia-cenário de Helio é a protagonista de uma capa que nos convida a partilhar de uma experiência familiar.

1989 – 2017 | Deceased in July 2018, Helio Eichbauer was one of the most celebrated scenographers in Brazil. His most important and recognizable work also marks the beginning of a dialogue between music, space and graphic design. In 1989 Caetano Veloso released the album Estrangeiro, which featured on the cover a reproduction of a painting by Helio that served as the backdrop for the second act of the play O Rei da Vela, assembled by Teatro Oficina in 1967. From this point on, a fruitful start partnership between Caetano and Helio: the scenario was also used on the album tour, and all the scenography of the following tours was done by him. On several occasions, the scenic elements developed by Helio illustrated the covers of Caetano’s live releases, in an attempt to visually represent the atmosphere of the experience, or create a parallel between the spatial solution and the show’s proposition. The large canvas panel that served as the stage background and refers to the rock painting illustrates the cover of Circuladô Vivo, a 50-year tour of 1992. In 2010, the cover of Zii and Zie reproduces on the cover a dramatic image of one of the most scenic elements brilliant designs by Helio. Images were projected on the inside of a hang glider that rested on the stage, under gray lights, in a disc inspired by the storms that devastated Rio de Janeiro. The last partnership of the two was the scenario of Ofertório (2016/17), in which Caetano and his children revisit their father’s classics and their own compositions. The album cover (which gains power as it is unrelated to a studio album) features a photograph of a circular element that hangs in the background. When illuminated by LED lights it creates different atmospheres throughout the show, disintegrating the idea of ​​what a scenario can be, resulting only in shape and color. Referring to the idea of ​​communion and intimacy that gives the show its name, Helio’s stage host is the protagonist of a cover that invites us to share a family experience.

da série design em contexto
publicado originalmente em 23.7.2018

from the series design in context (portuguese only)
originally published in 7.23.2018